Servidor

07/12/2017

Alma do folclore polonês

Entre as pessoas ligadas a grupos folclóricos poloneses no Brasil ou apreciadores dessa arte talvez não haja ninguém que não tenha ouvido falar de Lourival Araújo Filho, um dos principais coreógrafos da etnia, com mais de 50 trabalhos desenvolvidos na região Sul. A fama estende-se à própria Polônia que tem aberto espaço para que o professor de História e, atualmente, chefe do Núcleo de Educação de Curitiba, monte coreografias para grupos de lá.

“Essa abertura é um grande reconhecimento”, acentua Araújo Filho, que tem uma relação estreita com o país. Morou na Polônia entre 2003 e 2007 para fazer o doutorado em História, e aproveitou para estudar dança folclórica no Curso de Instrutores Coreógrafos, da Universidade Maria Sklodowska Curie, de Lublin. Além de ter participado como bailarino de grupo folclórico nativo.

Aliás, foi como bailarino, arte que hoje pratica de forma esporádica, que ele teve contato com a dança folclórica. Tudo começou há 20 anos quando estudava no mesmo colégio onde até pouco tempo era diretor, o Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto (IEP). Naquela época, a chegada do professor de Educação Física João Leonides de Lara deu novo rumo à vida de Araújo Filho.

PROFESSOR - Lara, que era dançarino do Grupo Folclórico Polonês do Paraná Wisla, levou essa atividade para o IEP, criando um grupo multiétnico de dança, que continua ativo. Não passou muito tempo e Araújo Filho figurava no Wisla. “Comecei como dançarino, mas logo passei a me envolver com toda a cultura polonesa”, diz. Não à toa é conhecido como Polaquinho entre os familiares, apesar de não ter ascendência polonesa.

Araújo Filho começou a dar aulas no mesmo instituto logo depois, em 1998, efetivando-se por concurso público em 2001. Mas, passados dois anos, em razão do envolvimento com a dança e a cultura polonesa, conseguiu uma bolsa de estudos por intermédio do Consulado. Pediu a exoneração e partiu para o doutorado e, em paralelo, os estudos de coreografia na Polônia.

De volta ao Brasil em 2007, retomou as aulas de História como professor temporário – dois anos depois, foi novamente efetivado por concurso – e assumiu a direção artística do Grupo Folclórico Polonês do Paraná Wisla. Os finais de semana são dedicados a essa atividade que se transformou em encontro familiar. “Foi no grupo que conheci minha mulher e lá estão minhas duas filhas”, afirma. A mulher, Christine, é descendente de poloneses.

INTEGRAÇÃO - Antes de conhecer o professor João Leonides de Lara, Araújo Filho nem sonhava que um dia pudesse ser dançarino ou coreógrafo. Isso não fazia parte de suas atividades. “Jamais pensei que minha vida fosse se transformar nisso”, reforça. E, sobretudo, que o Instituto de Educação do Paraná teria tanta influência no rumo que o destino lhe reservou.

Ali estudou, conheceu a dança folclórica, foi presidente do Grêmio Estudantil por três vezes, transformou-se em professor e, no período de 2012 a 2017, ocupou o cargo de diretor.

O Grupo Folclórico Polonês do Paraná também tem se aproximado da escola, com apresentações no espaço do IEP e estimulando o desenvolvimento cultural. Afinal, o Wisla é o mais antigo grupo folclórico polonês do mundo, fundado em 1928, e reconhecido pela Polônia como uma das maiores referências culturais e artísticas fora do país.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.